Por que a Previdência do Servidor está mais difícil de sair?
Clique para Imprimir
A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro enviou para a Casa Civil uma Medida Provisória (MP), cujo texto impede a emissão do Certificado de Tempo de Contribuição (CTC), o que dificulta a concessão do benefício da previdência do servidor.

De acordo com a redação da MP, os servidores públicos ficam impedidos de utilizar o CTC para lançar o tempo de trabalho na iniciativa privada, e vice-versa, para aposentadoria.

A publicação cria regras mais rigorosas para o pente-fino e para as concessões dos benefícios do INSS. Esse processo vai trazer dificuldades para o servidor público e, de acordo com Adriane Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), isso não é positivo.

Para Bramante, todo e qualquer trabalhador, público ou privado, não deve ser prejudicado por seu empregador ter descontado a contribuição e não ter repassado à Previdência. “Não pode haver o ‘não fornecimento’ da certidão se não houver recolhimento do servidor, porque a contribuição foi descontada da folha do funcionário público e é presumida”, frisa.

O que é o Certificado de Tempo de Contribuição?

É um documento que serve para atestar que o indivíduo trabalhou em outro regime, para então somar o intervalo de serviço em ambos e poder aposentar.

Permite que o servidor público que recolhe uma quota para o Regime Próprio de Previdência Social, transfira o período que contribuiu no INSS para o emprego atual.

Sem esse documento, fica mais difícil contar o tempo para fins de aposentadoria.

Suspensão dos benefícios

De acordo com o texto, será passado um pente-fino para revisar todas as irregularidades. É um ponto contraditório tendo em vista que, se houve erro, ao suspender um benefício que ele mesmo concedeu, o INSS irá contra sua própria Instrução Normativa.

A MP ainda precisa ser aprovada pelo Congresso, assim terá até 120 dias para virar lei.

O novo texto da Medida Provisória também prevê

– Um prazo de 180 dias para requerer pensão por morte no caso de menores de 16 anos;

– Cruzamento de informações das bases de dados dos órgãos públicos para reforçar o controle e evitar irregularidades;

– Restrições para outorga de auxílio-reclusão para dependentes de preso em regime fechado;

– Melhoramentos para comprovar atividade rural e restituir os valores creditados aos beneficiários após a morte;

– Mais rigor na atuação dos peritos do INSS com pagamento de bônus de R$ 57,50;

– Notificações serão feitas pelo banco, meio eletrônico ou postagem simples que será enviada ao endereço do cadastro e o Aviso de Recebimento (AR) servirá como comprovante de entrega.

O usuário deve apresentar defesa pelos meios eletrônicos, se não o fizer, perderá o benefício. Em caso de o INSS julgar insuficiente ou improcedente, ainda terão 30 dias para entrar com recurso, caso contrário será cancelado.

 

Esse texto foi útil para você? Acompanhe o trabalho da Curciol em defesa do Servidor Público. Acesse nosso site e contate-nos.

Leia também: Direito Previdenciário

 

0
Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *